Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sem Rótulos

Somos a soma de tudo o que gostamos e desprezamos. Somos a junção de todas as experiências e daquilo que elas despertam. Somos o resultado da forma como interpretamos a perspectiva que a vida nos oferece.

Sem Rótulos

"Sem Rótulos", porquê?

porque somos a soma de tudo.

15.08.23 | Isaac Barradas

Somos a soma de tudo!

A soma do que gostamos e do que desprezamos. A soma do que nos faz felizes e daquilo que nos entristece. A soma das nossas dúvidas e certezas. Somos a soma de todos os opostos em que puderes pensar e que tenham impacto na tua vida. As experiências passadas e a forma como elas moldam as futuras. Os desgostos amorosos e as alegrias pessoais. Os cliches e as ideias geniais. As pessoas que passaram, as que ficaram e as que um dia passarão ou, quem sabe, ficarão.

E se assim é, então deixa-me fazer-te uma pergunta:

Porque haveríamos nós de nos restringir a um simples rótulo?

Sou da geração que ouviu os avós e pais dizerem "Tens que estudar muito para ser um bom médico ou engenheiro!" ou "Tens de ter boas notas para ser alguém na vida!".

Foi o que lhes foi incutido. São as suas crenças. E está tudo certo. Mas não para mim. Não agora!

Cresci a achar que essa era a forma certa de viver: escolher o que quero ser e dedicar-me de alma e coração a esse rótulo. E claro que, tendo sido eu a escolher, estaria tudo bem. Mas, e se não estiver?

Uma das minhas grandes paixões é a fotografia. É uma constante na minha vida desde que peguei numa reflex pela primeira vez. Achei que poderia ser esse o meu rótulo: sou fotógrafo. Simples não é?

Mais tarde, quando nasceu o meu filho, pensei que o meu rótulo seria o de "Pai".

Quando tirei o curso de formador, julguei que o meu rótulo poderia ser o de "Formador".

Antes disso, e com bastante sucesso até, dei a mim mesmo o rótulo de "Vendedor".

Enfim, já percebeste onde isto vai parar não é? Cálculo que se ainda aqui estás é porque te identificas, pelo menos até um certo ponto. Se calhar não lhe chama rótulo mas sim propósito, missão ou outra qualquer coisa que faça sentido para ti. Algo que te ajude a encaixar no mundo à tua volta. Mas, no final de contas, a pergunta é a mesma: quem raio sou eu e o que é que é suposto fazer enquanto cá ando?

Essa é a pergunta que me leva a recantos da minha mente que eu nem sabia que existiam. Mas foram esses mesmos recantos, e muitos momentos de conversa a solo que me  fizeram chegar aqui. 

E não, ainda ao tenho respostas para nada. O que sei é que, tal como disse na abertura  deste post. sou a soma de tudo o que fez, faz e irá fazer parte da minha vida. Escolho focar-me no que me faz feliz. Escolho o que me enche de gratidão, alegria e diversão. O rótulo é, na verdade, uma lista, sempre inacabada de "coisas". Porque afinal de contas, são essas "coisas" que trazem outras "coisas" e criam uma cadeia de "coisas" que, se escolher bem, me fazem feliz. 

É sobre essas coiasas que falo aqui no blog. Sem rótulos de ser um blog especializado num tema. Na verdade, é especializado em nada de especial. Experiências, devaneios, partilhas e gostos pessoais. Se, por acaso, te indentificares com alguns deles, bem vindo/a. Se não, Bem vindo/a na mesma.

 

E sobre o que é que eu gosto de falar?

📷Fotografia,

🎬Cinema,

👨‍👩‍👦Família

✈️Viagens

🌲Natureza

🍽️Restaurantes

🤣Comédia,

🎧Podcasts,

e provavelmente, todo um outro molhe de coisas que não me lembor agora.

O objetivo é simples: escrever sem floreados e partilhar o que eu acho que deve ser partilhado. Sem contagens de likes, comentarios ou partilhas. Sem procurar a provação de ninguém, e apenas com a certeza de que, se estou a escrever, é porque gosto.

Até já.